Cultura

Transição capilar: araraquarense conta tudo o que você precisa saber

Transição capilar é um processo rápido? É fácil? Tranquilo? Afinal, o que é transição capilar? A blogueira Francielli Aguiar contou tudo!

transição capilar

23 anos: foi com essa é a idade que Francielli Aguiar decidiu encarar a transição capilar pela segunda vez. Para começo de conversa: a transição capilar é a fase na qual a mulher se descobre e redescobre com os fios naturais e a beleza natural. É fácil? Não – como nada nessa vida. E, mesmo mais experiente e bem certa do que queria, a araraquarense também encarou vários desafios nesta jornada e não esconde nenhum deles neste bate-papo com a nossa equipe. Teve muito choro, vontade de desistir e orgulho de ter conseguido. Vem ver:

O começo
“Eu comecei a transição capilar aos 23 anos, no começo do ano passado. Na verdade, eu já tinha passado por uma transição quando fiz o Big Chop (corte de cabelo que tira toda a parte alisada), mas eu não consegui lidar com o crescimento do cabelo. Na época, meu cabelo era chanel, bem curtinho e bem liso. Usei liso por uns dez anos. Aí eu cortei e ficou super, ultra, mega curtinho! Às vezes eu acho que não faria de novo, porém, hoje eu olho e eu vejo que realmente valeu a pena.”

A transição
“Quando eu cortei, eu não fiquei muito feliz. Não vou mentir. Mas eu vi que ali era a Francielli de verdade e não a que eu queria ser. O fato de eu alisar o cabelo era mais por conta das pessoas. Também não tive apoio, tive que lidar com cometários, mas foi mais no começo. Depois todo mundo se acostumou e aceitou bem! A maior dificuldade mesmo é a espera do crescimento. Eu sempre olhava as blogueiras famosas, com aqueles cabelos imensos e o meu curtinho! Mas com o tempo você vai se adaptando, o mercado tem muitos produtos para cachos, damos mais volume e até acelerando o crescimento, é diferente de antigamente”.

LEIA TAMBÉM
+ Sábado (14), tem peça e oficina de graça! É só chegar…
+ Dupla Renan e Gabriel agitam o Bar Seu Jorge nesta sexta-feira (13)
+ Domingo (15) terá almoço orgânico na Poitara, em Araraquara

Autoestima em primeiro lugar
“Eu acho que a autoestima é meu segundo nome! Depois que o meu cabelo cresceu um pouco mais, eu me olho no espelho de outra forma! Mesmo quando eu acordo com o cabelo bagunçado, eu me olho diferente. Autoestima é ser você mesma e não o que as pessoas querem que você seja. A autoestima mudou demais. E eu estou me amando bem mais!”

Apoio
“Toda a minha história e a minha trajetória estão no meu canal porque foi uma das coisas que mais me motivou. As pessoas que me seguem me ajudaram demais. Todo mundo tem os seus momentos de fraqueza e houve grandes momentos que eu queria desistir, mas as minhas seguidoras, a maioria é cacheada e elas me apoiaram e me ajudaram demais, nos grupos de cachos também.”

Siga em frente
“Para quem quer entrar neste processo, primeiro tem que ver se é isso o que quer. Porque algumas pessoas vão mais pela empolgação. E tem que se amar do começo ao fim, mesmo com o cabelo com dois tipos de textura, tem que se aceitar do jeito que você é e ter força de vontade. O cabelo não vai crescer do dia para a noite e não adianta fazer loucuras. Tem que saber esperar. Esses dias mesmo eu postei uma foto no meu Instagram logo depois de eu ter feito o Big Chop e uma outra mais recente. Eu fiquei muito impactada com o resultado. Eu vi que estava valendo a pena. Muitas vezes, confesso, eu pensei em alisar porque eu não estava aguentando mais, mas hoje eu vejo que valeu a pena. Valeu cada lágima e cada minuto de espera!”



Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *