Cultura

Araraquarense conta como foi enfrentar os desafios de viajar sozinha pela 1ª vez

Pensa que foi mole sair de Araraquara e viajar sozinha para Londres? Marjory Santos, araraquarense, dividiu com a nossa equipe um pouco da sua experiência!

Viajar sozinha: este foi o desafio encarado pela araraquarense Marjory Santos. Para quem está lendo isso no conforto da sua casa, pode até pensar que esse não é um desafio tão grande assim. Mas só quem já passou pela experiência, é mulher e negra, sabe que as coisas não são tão simples.

Depois de economizar dinheiro por cinco anos, em julho deste ano, a araraquarense embarcou não só para Londres, na Inglaterra, mas para a realização de seu sonho. Lá, ela teve que aprender a se virar e não contar com a ajuda dos pais, como sempre acontece aqui em Araraquara – e isso foi recompensador. Entre museus, pubs e passeios, vieram o medo e a segurança; o nervosismo e a paz interior; a preocupação e a alegria por estar em lugar novo.

“Eu cresci 5, 10 anos, em um mês. Eu nunca tinha saído de casa e aprendi a me virar e a dar a minha cara a bater sozinha, sem ter os meus pais por perto. Foi extremamente gratificante e enriquecedor”, conta.

Nesta entrevista, Marjory dá dicas para quem também vai viajar sozinha, relembra caso de assédio e vibra a cada lembrança boa da viagem inesquecível. Quer saber mais? Confira o bate-papo:

Realização de um sonho
“Essa viagem foi a realização de um sonho, não só para mim, como para toda a minha família. Eu sempre estudei inglês e sempre tive vontade de ter uma experiência no exterior para melhorar o meu inglês. Daí, comecei a trabalhar em 2014 e desde então eu venho juntando dinheiro para conseguir fazer essa viagem. Venho de uma família muito humilde e foi uma realização ainda mais especial também dos pais também, que não só me ajudaram financeiramente, como deram todo o suporte psicológico para eu realizar esta viagem de quase um mês.”

Uma grande aventura
“Viajar sozinha foi uma grande aventura para mim. Foi um desafio gigantesco, mas que trouxe muito aprendizado. A princípio, eu pensei em viajar com uma amiga minha, mas como ela perdeu o emprego, não conseguimos ir juntas. Depois, eu ia viajar com a minha irmã, mas como ela tem 12 anos, se sentiu insegura e não quis ir. Aí eu tive que assumir essa responsabilidade e ter as rédeas da minha vida. Foi um desafio muito grande. Eu cresci 5, 10 anos, em um mês. Eu nunca tinha saído de casa e aprendi a me virar e a dar a minha cara a bater sozinha, sem ter os meus pais por perto. Foi extremamente gratificante e enriquecedor.”

Medo
“Nossa, eu fiquei com bastante medo por estar sozinha. Sou nascida e criada em Araraquara. Assim que eu saí do aeroporto e tive que ir para a casa que eu iria ficar, já senti muito medo. E eu me preocupava bastante com a questão racial, como iria ser uma mulher negra andando sozinha. Eu fiquei bem insegura e estas, foram questões que me fizeram pensar e repensar a viagem. E não só por ser mulher negra e por estar sozinha, mas a gente sabe do cenário internacional e das questões do terrorismo. Isso me preocupava muito e eu sempre estava muito atenta.”

Assédio
“Eu passei por uma situação muito chata de assédio em Camden Town, que é o bairro da Amy Winehouse. Lá tem o Camden Market que é uma feira mais underground e fui muito assediada por um indiano, no local onde eu fui comprar umas lembrancinhas. Ele falou umas coisas nojentas e eu fiquei bem brava. Eu estava com uma amiga minha, fechamos a cara e foi uma situação muito chata e que me incomodou bastante. Fora que, quando a gente falava que era brasileira, vinham todos os esteriótipos da mulher brasileira. Essas foram as piores situações que eu tive lá.”

Segurança
“Eu tomei alguns cuidados básicos: eu encontrei mais duas brasileiras lá e tentava sempre andar em grupo. Quando eu ia a alguma balada ou algum barzinho à noite, eu morria de medo de andar de metrô, mesmo todo mundo falando que era muito seguro. Eu preferia andar de Uber, porque achava mais seguro. Sem contar aquelas coisas básicas: olhava ao redor, pesquisava o bairro antes de ir e o principal, tomava muito cuidado ao andar sozinha. Eu pensava muito sobre isso e traçava uma rota minuciosa para não correr nenhum risco.”

Turistando
“Nossa, eu achei Londres uma cidade incrível! Eu fiquei muito encantada com a diversidade cultural; conheci gente da Turquia, da Polônia, de Portugal e muita gente de outros locais. Essa diversidade cultural foi o que mais me chamou a atenção. Sobre os locais, o que eu mais gostei foram: o bairro Camden Town, que foi um local que me marcou bastante, pelo fato da diversidade e também por eu gostar muito da Amy Winehouse. Também gostei bastante dos lugares mais turísticos que todo mundo ama: a roda gigante, o Museu de Arte Moderna (que eu fiquei impressionada). Se eu voltar, eu acho que faria novamente o Pub Crawl, que é um circuito de pubs, no qual você conhece vários lugares numa noite só. E talvez eu faria algo novo e me dedicaria mais a alguns museus. Eu fui com muita pressa e eu iria me programar e explorar mais os museus. Também queria ter conhecido Nothing Hill, que eu não fui.”

Durante sua viagem, Marjory escreveu um depoimento emocionante em seu Facebook sobre a experiência. Veja só:
“Tô aqui lavando roupa (sim! Eu, Marjory Santos lavando roupa em pleno sábado às 10:00 da manhã)
E comecei a refletir sobre essa viagem foda que eu fiz e que está chegando ao final…
Queria dividir com vocês um pouco dessa experiência que deu um giro de 360° na minha vida. Eu não volto pra minha cidade aquela menininha de 22 anos. Eu volto mulher. E cara, como 20 dias amadurecem a gente. No amor ou na dor. Amadurecem.
Fiz uma lista de coisas que passei enxergar diferente e que eu aprendi.
1) Não há lugar melhor que o nosso lar. Nosso canto. Com a nossa família. E é justamente a família que vai segurar sua barra em TODOS os momentos. T O D O S;
2) Os anjos existem. Sim, eles existem. Seja pra te colocar dentro do metrô certo, te ensinar a direção de volta. Ou mesmo pra te acalentar;
3) Eu sou dona e proprietária do meu próprio nariz. Eu respondo por mim. Cuido de mim.
4) Eu sou uma mulher livre. Livre e empoderada. Livre, empoderada e capaz. Eu quero, eu posso e consigo.
5) A liberdade tem um gosto doce. É revigorante. Adrenalina pura. Mas carrega consigo a solidão. É preciso saber dosar.
6) Eu sou mais forte do que pensei que seria. Terminei um relacionamento de 5 anos. Ouvi muita merda das pessoas. Egoísta, mesquinha, só pensa em si. Em contrapartida, recebi amor de várias pessoas. Pessoas importantes que emanaram uma energia foda pra que eu ficasse bem. E eu estou bem. Vocês seguraram a barra real!
7) Muitas pessoas vão querer saber da sua vida. Sem propósito nenhum. ” O que você foi fazer aí?” ” Quando você volta?” “Vai pra ficar?”. Gente que eu não via há séculos repentinamente queria saber de mim, pedir pra levar coisas, ser o melhor amigos. Se poupem, me poupem, nos poupem;
8 ) Muita gente torce por mim. Um torcer genuíno. Por gostar de quem eu sou, por conhecer minha história. Recebi várias mensagens que me emocionaram. Eu me senti muito querida. Amigos que eu não via fazia tempo falando que sabiam da minha trajetória e que se sentiam orgulhosos de ver de onde eu saí e onde eu cheguei. Vocês são fodas!
9) Conheci muita gente e me senti tão maravilhada com as outras culturas! Polônia, China, Turquia, Bielorrússia, Portugal, Malásia…. Enfim, me conectei com uma galera massa e importante!
10) Apaixone-se por você mesmo TODOS os dias!
11) Saia, curta, se divirta! Esses momentos vão ficar registrados pra sempre;
12) Não se leve tão a sério, não tenha tanta ansiedade, viva o HOJE! É clichê, mas não é a toa que o “presente” é a melhor fase da nossa vida.
13) Coma tudo o que tiver vontade. Depois você aguenta a puxada de orelha da sua nutricionista e se empenha melhor na academia.
14) Sinta medo. Mas não deixe que ele te paralise e te prive de viver experiências legais;
15) Desconfie até da sombra e não seja tão Alice. É aquela história de estar sempre atenta;
16) Traga roupas confortáveis. E se ligue na previsão do tempo. Não traga casacos pesados, jaquetas, abrigos se souber que é verão.
17) Esteja preparado pra andar. Andar muitoooo. Andar pra caramba.
18) Se tiver dúvida, pergunte. Pra tudo. Mete a cara. Pergunte mesmo, pergunte tudo pra não fazer cagada
19) Tente não surtar com a falta de arroz e feijão HAHAHAHAAHAHAHA
20) O país é outro, a cultura é outra, mas você é sempre o mesmo. Siga seus princípios, suas vontades, seus instintos. Arrisque.

O melhor da vida é poder ser VIVIDA!
Amor próprio em primeiro lugar!
Não exite melhor companhia que você mesmo e essa, você tem que carregar pra sempre.