Colunistas

Coluna Fernanda Americano: Como usar o SUS em Araraquara?

Nesta coluna, Fernanda Americano fala sobre como o Sistema Único de Saúde é organizado e por que ele é tão importante no nosso país

sistema unico de saude

Parece uma pergunta meio estranha, né? Mas será que você sabe como nossa rede de saúde funciona? Chega mais e vem aprender a cuidar de si e de uma cidade inteira!

O Sistema Único de Saúde é uma conquista gigante de direitos fundamentais que surgiu lá na década de 80 com união dos movimentos sociais! Ele está mais pertinho do que você imagina – na produção de fármacos e hemoderivados, vigilância sanitária e epidemiológica, formação profissional, saneamento básico, desenvolvimento científico e tecnológico, fiscalização de alimentos, transporte de substâncias tóxicas e proteção ao meio ambiente.

A rede de saúde é divida em níveis de atenção, que significa a organização do serviço de acordo com cada demanda. Basicamente pode ser dividida em nível primário, secundário e terciário.

LEIA TAMBÉM
+ Coluna Maria Eduarda Pierri: Mulheres Além da Carne
+ Coluna Érica Alexandre: A Simplicidade do Empoderamento
+ Coluna Tatiana Rodarte: Dia das Mulheres ou Dia do “Fecha as pernas, menina!”

NÍVEL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA
São as famosas UBS’s (Unidade Básica de Saúde) ou USF (Unidade de Saúde da Família), é a porta de entrada do usuário do SUS para iniciar seu cuidado em saúde. Acredito que esse nível de atenção é um dos mais importantes, pois aqui a gente trabalha com prevenção e promoção de saúde freneticamente. Já ouviu falar em “tampar o sol com a peneira”? É isso que seria nossa saúde sem a atenção primária. Aqui a gente trabalha com grupos de educação em saúde, campanhas e terapias integrativas. Aqui que faz vacina, puericultura, saúde da criança, da mulher, do adolescente, do adulto e do idoso. A gente até tem recursos para algumas emergências, mas esse não é o lugar pra isso. Aqui as coisas são acompanhadas com calma na certeza de que, mesmo com demora, a pessoa não corre risco de vida.
Aqui se faz: Papa Nicolau, exame das mamas e pedido de mamografia, vacinas, tratamento e segmento em qualquer doença que não esteja grave ou necessite de um especialista. Quer parar de fumar com apoio profissional e medicamentoso? É aqui. Quer realizar planejamento familiar e saber todos métodos que existem gratuitamente? É aqui. Pré-natal? Aqui! Tá preocupado com o Câncer de Próstata? É aqui também. Ahh, quer ir no dentista? Tem aqui!]

Vale lembrar que neste nível de atenção temos o CTA (Centro de testagem e aconselhamento): local onde se realiza teste rápido para DST’s como HIV, Sífilis e Hepatite C. É melhor sempre ficar sabendo, não? É só chegar lá e realizar o exame – existe uma equipe multidisciplinar para te aconselhar se necessário.
Ainda neste nível, temos o SESA (Serviço Especial de Saúde de Araraquara) – em tese, esta unidade flui entre a atenção primária e secundária, pois aqui temos a atenção em saúde para toda a população do território do centro mas também temos especialidades médicas e é local em que se faz profilaxia e tratamento para doenças infectocontagiosas como HIV, Hepatites e Hanseníase, entre outras. Isso só se faz no SUS! Além disso, ali tem o centro de saúde pública da USP, promovendo um trabalho de vigilância epidemiológica e ações em saúde muito importantes para a cidade!

Uma atenção primária de qualidade consegue resolver mais de 90% dos problemas na unidade de saúde. Sobrando apenas 10% para os outros níveis de atenção! Já pensou se todo mundo procurasse mais os postos de saúde do que as UPA’s, o quanto isso descongestionaria o fluxo? Cada bairro/território tem o seu postinho de referência! Pergunte para seu vizinho ou comércio e abra sua ficha levando comprovante de endereço e documento de identidade! Araraquara é referência NACIONAL em sua atenção primária, pois tem grande número de equipes na estratégia de saúde da família e comunidade!

NÍVEL DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA
Aqui é o meio termo entre a atenção básica e a complexa. Temos aqui as especialidades médicas e odontológicas. Por exemplo: cardiologista, pneumologista, otorrino, gastro, nefro, cirurgia, etc. Temos os CAPS e CRASMA com seu apoio em saúde mental, álcool e drogas e a famosa UPA (Unidade de Pronto Atendimento), que de pronto não tem nada – risos. Exatamente pela dificuldade de organizar o fluxo de pessoas para o nível de atenção correta. Como já diz o nome, trata-se de uma unidade de atendimento com recursos para doenças agudas ou crônicas descompensadas com maior gravidade, ou seja, ao contrário da atenção primária, não dá para esperar mais de um dia.

Aqui a gente tem Raio-X, alguns exames laboratoriais básicos para colher na hora e medicações para estabilização de pacientes críticos (ex: acidentes). Você deve procurar esse atendimento se: estiver passando mal e o posto já estiver fechado ou se estiver correndo risco de vida. Exemplos: suspeita de infarto, AVC, traumas, contusões, acidentes, etc. Ou seja, aquilo que precisa de um atendimento rápido e quem sabe até encaminhamento para o nível de atenção terciário = hospital. Queixas com duração de semanas ou meses devem ser abordadas na atenção primária a princípio. Aqui em Araraquara temos 3 UPA’s – Central (tem pediatra e ortopedista nessa), Vila Xavier e Vale Verde

NÍVEL DE ATENÇÃO TERCIÁRIA
Aqui entram os hospitais de nossa cidade. A Santa Casa tem porta de entrada fechada, ou seja, você só vai pra lá direto de SAMU ou encaminhado das UPA’s. É o nosso serviço de alta complexidade que oferece especialidades médicas e bucomaxilo, cirurgias de emergência e eletivas, exames como tomografia, ressonância, ultrassom, endoscopia, colonoscopia e, entre outros, para todxs que estiverem internados, tratamentos avançados como quimioterapia e Unidade Intensiva de Tratamento (UTI).

Além da Santa Casa temos a Maternidade Gota de Leite, que é o hospital para gestantes e vítimas de abuso sexual. É porta aberta, então não precisa de encaminhamento para o atendimento. A Gota, além de maternidade, tem UTI neonatal, faz as consultas de pré-natal a partir de 36 semanas de gestação e atende as mães até 40 dias após a gestação – puerpério. Lembrando que a criança, mesmo a recém-nascida, se tiver alguma complicação, deve ir à UPA.

O S.U.S tem seus problemas sim, VÁRIOS, tudo que um sistema descentralizado do tamanho do Brasil pode ter. Mas ainda é um dos sistemas mais estudados internacionalmente e que fornece atenção universal à população! O que em muitos países ainda é utopia, aqui já é protocolo.

Por essas e outras, é nosso dever lutar por essa conquista! Vamos construir juntxs?

VIVA O S.U.S, VIVA A SAÚDE PÚBLICA!


Fernanda Americano tem 26 anos, é estudante de medicina da Uniara e criou a página Camomila – Saúde Feminina para ajudar as mulheres a reconectarem com o próprio corpo e entender os sinais dele. No Comunica Araraquara, ela fala sobre ginecologia autônoma e outros assuntos que envolvem a saúde da mulher.

famericano92@gmail.com

Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *