Cotidiano

Fogos de artifício ruidosos serão proibidos em Araraquara

A lei que proíbe a soltura de fogos de artifício é de autoria da vereadora Juliana Damus e foi sancionada na câmara de Araraquara, após três meses de trâmite

Após três meses de trâmite na Câmara de Araraquara, foi sancionada a lei que proíbe a soltura de fogos de artifício ruidosos. A lei é de autoria da vereadora Juliana Damus, que considera a medida uma vitória para a nossa cidade: “foi após muitas discussões que conseguimos aprovar um projeto tão importante. Lei que visa ao bem-estar de idosos, doentes, bebês, crianças, autistas e animais.”

Quem também comemorou a proibição da soltura de fogos de artifício ruidosos são os defensores da causa animal, já que o barulho pode até causar a morte dos bichinhos. Deise Cristina, da Associação Araraquarense de Proteção aos Animais (Aapa), conta que o número de animais machucados cresce consideravelmente após a realização das festividades. “Com a soltura de fogos, os animais que são muito sensíveis aos ruídos agem de forma descontrolada. Eles se debatem, pulam cercas e, na maioria das vezes, terminam machucados. Isso sem contar o número de animais que são atropelados.”

Mas não é só para os animais que o barulho dos fogos de artifício pode ser nocivo. Nossa audição também pode ser prejudicada, já que o ruído provocado pela queima de fogos ultrapassa 125 decibéis, equivalente ao som de um avião a jato. Ou seja, é muito acima do suportável.

LEIA TAAMBÉM
+ Kell Smith fará show gratuito em homenagem ao Dia Internacional da Mulher
+ Cobertura – Show da banda Planta e Raiz no Sesc
+ 10 Blocos de Carnaval e trios elétricos para você curtir em Araraquara

O presidente da Fundação Toque, Luciano Pizzone, explica os prejuízos. “Um paciente com autismo, por exemplo, pode levar dias para conseguir se recuperar do estresse causado pelo barulho.”

fogos de artificio araraquara

Como explica a assessoria da prefeitura de Araraquara, proibição semelhante já ocorre em cidades como Belo Horizonte, Campinas, Registro, São Paulo, Ubatuba, Indaiatuba, e Araraquara já ganha notoriedade devido à nova lei. O presidente do Conselho de Proteção ao Animal, Sebastião Barbosa, contou à assessoria, que o órgão já foi procurado por representantes de outras cidades. “Araraquara tem se tornado exemplo para outros municípios e isso é a prova de que estamos caminhando para frente”.

Em Araraquara, “o próximo passo é a regulamentação da lei. A expectativa é de que ainda nesse semestre sejam definidos os critérios para a aplicação de multa e os respectivos valores”, afirma a assessoria.