Cotidiano

42 mulheres de Araraquara se formaram em curso sobre direitos e enfrentamento à violência

O Promotoras Legais Populares (PLPs) foi um curso de ação do Coletivo Bennu, de Araraquara, para ajudar diferentes mulheres da cidade!

mulher curso araraquara

Foto: Celso Luis Gallo

A última sexta-feira, 25 de janeiro, foi marcante – e inesquecível – para 42 mulheres de Araraquara. Elas formaram a 2ª turma de Promotoras Legais Populares (PLPs), curso de ação do Coletivo Bennu, com apoio da Prefeitura de Araraquara (por meio do Centro de Referência da Mulher), da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e da Uniara (Universidade de Araraquara).

No curso, essas mulheres puderem conhecer melhor questões de abordaram questões empoderamento, política, direito, saúde, enfrentamento da violência e diversidades, com o objetivo de capacitar mulheres em noções de direito e cidadania, a partir do enfoque em direitos humanos e no enfrentamento à violência contra as mulheres.

LEIA TAMBÉM
+ Pub 13 de Araraquara dedica noite ao rock nacional!
+ Empresária empodera crianças com a fabricação de bonecas negras
+ Creed 2 e Eu Sou Mais Eu estreiam nos cinemas de Araraquara!

Essa 2ª turma levou o nome de Camila Lourenço, vítima de feminicídio em abril de 2018, aos 32 anos de idade. Uma das formadas no curso é Isabel, mãe de Camila. “A Camila era gentil e generosa, sincera e verdadeira, mas teve sua vida tirada de forma brutal e cruel. Desde 9 de abril do ano passado [data do crime], nós da família resolvemos transformar nossa dor em luta para que não aconteça com outras mulheres o que aconteceu com a minha Camila”, relatou.

Amanda Vizoná, coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres, elogiou as formandas. “É uma turma muito inspiradora. Essa luta contra a violência e o machismo é difícil, mas eu não me sinto mais sozinha. Todas vocês serão instrumento de luta”, declarou.

curso mulher araraquara

Foto: Celso Luis Gallo

Por fim, Grasiela Lima, coordenadora do curso, ressaltou que todas as alunas foram mulheres de luta. “Com esse empoderamento, vocês podem transformar as próprias vidas e as vidas das outras mulheres”, analisou. E Gisele Barbosa, coordenadora do Coletivo Bennu, destacou que as formandas são “símbolo de persistência e transformação”.

As informações são da assessoria de imprensa da Prefeitura.