CulturaNegócios

12 empreendimentos de mulheres negras para você conhecer e apoiar em Araraquara

Confira a lista com mulheres fortes e empreendedoras da cidade

Segundo dados divulgados pela Folha de S. Paulo, de 112 milhões de negros no Brasil, 14 milhões são empreendedores. O número pode até parecer alto, mas a verdade é que a grande maioria destes empreendedores ainda enfrenta preconceito, racismo e outras barreiras para seguir com sua empresa.

Quando falamos de mulheres negras à frente de suas empresas, as dificuldades são maiores ainda.

Por isso, nossa equipe conversou com 12 empreendedoras daqui da cidade para conhecermos melhor seus negócios e suas histórias.

A gente sabe que 12 é um número muito pequeno, perto de tantas outras empreendedoras negras que brilham na cidade. Por isso, aproveite e deixe sua indicação também nos comentários para apoiarmos esses e outros empreendimentos!

 

Larissa Paschoal – uma das proprietárias do Brechó das 3


O Brechó das Três (que tenho com a minha mãe Paula e a minha avó Diomar) tem cinco anos. No início, eu juntava roupas próprias para vender em brechós com a ajuda da minha vó, e depois, com a a minha mãe, que ficou desempregada. Foi aí que surgiu a ideia de montar o nosso próprio brechó, ao invés de vender as roupas pra outros locais. Desde então, o Brechó das Três foi criando forma, força, nome e seu reconhecimento com muito carinho, incentivo e dedicação. Sempre fui muito apegada nesse lance da moda: minha vó é costureira e minha mãe é super criativa. Assim nasceu nosso empreendimento que hoje é a nossa fonte de renda! A nossa história é linda e inspiradora, a questão é não desistir! Faz cinco anos que estamos de pé e vamos permanecer entre altos e baixos, vai ser sempre nós três!
Conheça: @brechodastres__

Agricia Ribeiro – proprietária da confeitaria artesanal O Centro do Problema


O meu empreendimento começou em setembro de 2019, quando eu ainda era aluna de confeitaria do IGA – Instituto de Gastronomia das Américas. O meu propósito era trazer uma confeitaria mais natural, com produtos frescos, de qualidade e com um preço mais justo. Comecei a vender quando eu ainda morava em São Paulo. Lembro que no primeiro dia, eu saí pela Vila Madalena com 25 caixinhas de brigadeiro e vendi todas. Aí depois eu fi um bolo, outro bolo… e tudo foi crescendo, se expandindo. Hoje eu estou em Araraquara e tenho a minha confeitaria aqui. E quando eu ainda estava sonhando com ela ainda, eu sempre pensava que tinha que ser um lugar diferente – não queria um lugar moderno, cheio de máquinas, mas sim, um lugar que me lembrasse a casa da minha avó e que fosse mais rústico. Aqui o café coado na hora, os bolos são feitos todos os dias, fresquinhos… tudo é muito caseiro.”
Conheça: @ocentrodoproblema

Michelle Santos – proprietária do Ateliê Michelle Santos (Bonecas de Pano Negras)


“O ateliê surgiu da necessidade de ter mais bonecas negras no mercado infantil, sendo que menos de 10% das bonecas fabricadas no Brasil são negras com uma população de mais de 50% de pessoas negras. É uma conta que não bate…. E fazer bonecas negras pra mim é a minha forma de contribuir com a autoestima de meninas/mulheres que nunca tinham se visto representadas em uma boneca antes. Na verdade não é apenas uma boneca, é um instrumento de empoderamento infantil, para que a criança aprenda a conviver e a respeitar todos desde cedo, independente da cor da sua pele. E eu resolvi que eu vou fazer isso de uma forma leve, delicada e floral”.
Conheça: @atelie.michellesantos

Djamila Clemente – Djamila Tranças / Beleza para os Cabelos


“Tudo começou aqui na minha casa quando minha mãe Rosimeire e minha Tia Bidi trançavam algumas clientes. As tranças eram feitas no fundo da nossa casa. Durante um período, eu fiquei observando elas fazerem vários penteados e vários modelos de tranças. Até que com 14/15 anos, comecei a treinar em mim mesma, fazendo tranças bem simples – porque quando era uma trança muito elaborada, eu chamava minha mãe! (risos). Aí, com 18 anos, eu comecei a trançar junto com a minha mãe e fui aprendendo a cada dia. No meio do caminho acabei desviando um pouco desta vontade de ser trancista, realizando outras experiências. Em meio à pandemia, percebi que nem tudo estava perdido e decidi então empreender no meu próprio negócio e ser trancista novamente. Estou realizando alguns cursos rápidos pela internet, relembrando alguns modelos básicos e aprendendo modelos e técnicas novas para fazer tranças e aplicação de cabelos com melhor qualidade. Minha mãe continua me ajudando agora como minha auxiliar, minha modelo e sempre me mostrando o melhor caminho para realizar uma trança.”
Conheça: @djamila_trancas

Erica Alexandre – proprietária da Kroonk K – Ateliê Especializado em Turbantes


“A marca surgiu em 2018, com o lançamento durante o evento Kilombô e transmitido pelo Jornal da EPTV 1ª edição ao vivo diretamente do evento. Kroon K é uma loja itinerante, ou seja, não tem prédio fixo, os produtos são expostos na internet, em oficinas e workshops de turbante em feiras esporádicas na cidade de Araraquara. Também possui o serviço ‘Turbante Delivery’, onde o cliente recebe o turbante em casa, além de outros acessórios que desejar e dicas particulares de amarrações. A marca também realiza a “Oficina de Turbantes”, que é um projeto voluntário, sem fins lucrativos apresentado por mim mesma. Essa é uma atividade desenvolvida nas escolas de Araraquara e região, e em ONGs destinadas à pessoas com câncer, além de eventos, cuja temática afro se faz presente. A oficina se adapta ao tipo de público a qual será apresentada, mas para todos os públicos é apresentada de forma lúdica e conta com a participação de todos com histórias vivências e troca de experiências.
Conheça: @kroonkaqa

Thais Ribeiro – proprietária do salão Thais Tranças


“Tudo começou quando eu tinha 13 anos. Como eu sempre gostei de mexer com ramo da beleza, comecei a ganhar esmaltes de uma vizinha e fazia a unha das minhas amigas. Só que tempos depois, eu tive alergia do esmalte e precisei mudar. Foi aí que eu ganhei uma boneca que eu adorava mexer no cabelo, fazer tranças. Ao invés de brincar de boneca normal, eu trançava o cabelo dela! Depois, comecei a treinar tranças na cabeça da minha avó, fui fazendo em outras pessoas e estudando outras técnicas. Desde então, tive a certeza que estava no caminho certo”.
Conheça: @thaaiss_ribeeiro

Miria Cotrim – Hairstylist

“Com 14 anos, comecei a trabalhar em um salão no bairro Selmi-Dei, como auxiliar de cabeleireiro. Aprendi todos os serviços relacionados a cabelos e, desde então, não abandonei mais a profissão. Trabalhei também em outros salões da cidade conhecendo clientes que se tornaram amigas e que me encorajaram a trabalhar sozinha. Por muito tempo, trabalhei atendendo essas clientes em casa por falta de espaço. Tudo isso até eu me apaixonar e me especializar em penteados de noivas e festas em geral. Hoje ministro cursos para iniciantes e aperfeiçoamento de profissionais.
Com minha sócia Raiane Malagoni (maquiadora) e mais sete colaboradores, montamos um espaço lindíssimo e somos referência para produção de eventos, como formatura, noivas e festas.”
Conheça: @miriacontrim

Jessica Souza – proprietária do Monstera Brechó


“O brechó surgiu em 2019, depois de receber o apoio das minhas amigas para criar um brechó no Instagram. Comecei a vender roupas na plataforma Enjoei em 2015, quando ainda trabalhava como assistente de estilo em uma empresa de moda. Nessa época, eu era extremamente consumista, e para fazer uma ‘limpa’ no meu guarda-roupa eu acabava vendendo as minhas roupas na plataforma. Em 2016 vim para Araraquara fazer faculdade, porém continuei com a loja no site, mas dessa vez com o intuito de conseguir uma grana extra para me manter na cidade. Cheguei a vender algumas peças em grupos do Facebook e percebi como era um processo mais ‘orgânico’ e rápido. Foi nessa época que minhas amigas me deram a ideia de começar a vender pelo Instagram na forma de uma loja com atualizações semanais, seguindo tendências sazonais e abrangendo uma gama maior de estilos e tamanhos. Atualmente o brechó comercializa roupas, acessórios e também peças autorais feitas com retalhos de tecidos provenientes de restos de confecções.
Conheça: @monstera.brecho

Ro Crioula – Cabeleireira


Despertei para minha profissão ainda na adolescência. Mesmo sem nem perceber, eu já era uma consultora de minhas amigas. Mas sempre pesava quando eu precisava dessa consulta, pois foi um desafio muito grande encontrar profissionais que entendessem a estrutura do meu cabelo e que não me indicavam o alisamento como a primeira opção, respeitando de fato minha escolha por manter minha origem afro. Hoje isso é possível, mas há 30 anos a ditadura da moda era outra. Então comecei a pesquisar por conta própria qual era a melhor forma de promover o autocuidado e, ao mesmo tempo, me profissionalizar. Como sempre fui apaixonada pelos cuidados capilares, encontrei aí uma forma de unir o amor pelo que eu faço, valorizar a autoestima alheia e ser feliz realizando transformações. Hoje sou uma das profissionais mais antigas em atividade contínua em Araraquara. Sou com muito orgulho cabeleireira, barbeira, especialista em cabelos afros e procuro sempre me atualizar para satisfazer minha clientela. Vejo essa profissão como um dom divino, pois somos um pouco terapeutas e ainda promovemos a transformação de pessoas que entram com a autoestima baixa no salão e saem enxergando para além do espelho o quão maravilhosas são por dentro. É por isso que eu amo o que faço!
Conheça: @rocrioula.robshair

Mariana Tezini – uma das proprietárias da Viés Roupas Fluidas

Ariadne Aranha e Mariana Tezini

A Viés Roupas surgiu de uma paixão pela costura. A marca traz o conceito de se vestir com fluidez e conforto, de forma única e criativa. Fazemos roupas que gostamos de usar e que valorizam a natureza do corpo e seus movimentos. Nos inspiramos na delicadeza e força da alma feminina para compor nossas coleções.
Conheça: @viesroupas

Maria Gorete – proprietária do Doce Magia – Doces e Salgados


Após ficar desempregada e com as dificuldades de arrumar novo emprego, por causa da pandemia, resolvi trabalhar por conta própria. Sempre cozinhei profissionalmente e tenho certeza que terei sucesso, aliás já estou recebendo muitos pedidos e elogios de meus doces e salgados! Batizamos o negócio de “Doce Magia – Doces e Salgados”.
Conheça: @docemagia_docesesalgados

Daniela Costa – esteticista


“Sempre gostei do contato com a pele, mas a profissão surgiu em 2011 com uma massagem feita em minha irmã, que me disse: ‘Que mãos são essas!!! Mãos abençoadas!’. Com a minha boa sorte, apareceu um curso no Senac em 2012, mas com poucas vagas. Bom, no dia da inscrição, cheguei ao Senac de madrugada (às 4h) e as inscrições seriam iniciadas apenas às 12h. Quando eu cheguei lá não tinha ninguém – eu fui a número 1 da fila conseguindo a vaga e certificado de conclusão de curso!”
Conheça: @danicostablack

LEIA TAMBÉM

+ Araraquarense explica como brancos devem lutar contra o racismo

+ Aluno de Araraquara é premiado em concurso com peça contra racismo

+ Pela 1ª vez em 132 anos, Baile do Carmo não será presencial

+ Artista de Araraquara homenageia importantes líderes negros em mural



Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *