Colunistas

Coluna Érica Alexandre: Fevereiro e os Novos Ares do Carnaval

Saiba mais sobre a história do Carnaval!

O mês de Fevereiro é um mês bem agitado, principalmente para nós brasileiros: o mês tem menos dias, o salário rende mais (pelo menos é a expectativa), ainda é verão, algumas pessoas ainda estão de férias, aulas começam e claro, tem Carnaval!

Naturalmente este mês desperta em nós um ar de renovação, de início de novo ciclo. Creio que isso venha desde muito muito, mas muito tempo atrás, quando Fevereiro ainda era o último mês do ano. Se você ainda não sabia disso, então senta que lá vem história…prometo que serei breve!

Antigamente os Romanos seguiam um Calendário com dez meses que se iniciava em Março (nome em homenagem ao Deus Marte) e finalizava em Dezembro, o décimo mês.

Depois de um tempo começou-se a utilizar o calendário Solar composto de 12 meses de 30 dias aproximadamente que já era inclusive utilizado pelos egípcios há tempos. Mas quando mudaram a forma de calcular o tempo, surgiu um problema: e os dois meses que faltavam?

Então criaram Janeiro e Fevereiro para suprir esta necessidade (estes meses eram os meses 11 e 12 respectivamente). Então em 45 a.C, o imperador Júlio Cesar mudou tudo novamente e transformou janeiro no primeiro mês do ano e Dezembro no último. Na verdade ficou um pouco sem sentido, mas assim está até hoje.

Fevereiro recebeu este nome em homenagem ao Deus Februus, Deus da Morte e Purificação na Mitologia Etrusca. Era um mês carregado de misticismo e para alguns até um mês de azar justamente por ser o último mês do ano.

Representação do Deus Februus

Com isso Fevereiro traz em si um significado forte de renovação e mesmo sendo atualmente o segundo mês do ano, oficialmente no Brasil é somente depois dele que as pessoas levam o ano novo realmente a sério. E partindo desse significado, vejo este mês como o mês do Desapego.

Quando falamos em desapego, sempre lembramos de roupas, sapatos e outros objetos que podem ser doados ou jogados fora, pra deixar nossa casa mais limpa, abrir espaço pra coisas novas que virão, mas neste caso falo de um desapego parecido na ideia de abrir espaço para o novo, mas não de coisas e sim de ideias e ações.

Mudar não é fácil, a estranheza traz medo ao ser humano. É uma questão biológica sabe, a rotina traz calmaria. É como se você soubesse onde pisar mesmo com os olhos fechados. Mas se por algum motivo essa rotina sai do seu eixo, pronto, olha o caos feito em nossa cabeça. Em muitos casos culpamos até os outros, mas nós somos eternamente culpados por tudo que permitimos entrar em nossas vidas. Pequeno príncipe, lembra? “…Tú te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.” Tome essa verdade como seu mantra de vida e conviva com ela.

Vou te propor alguns desapegos, se quiser use qualquer um até como penitência para a Quaresma que se aproxima, mas por favor, use pelo menos um, mesmo que por pouco tempo e vai ver que sua saúde física e mental vão agradecer muito: Fuja de Pessoas Inconvenientes, Ambientes Carregados e Situações Constrangedoras.

Está na Constituição, aquela que ninguém recentemente pega pra ler, mas está lá: De acordo com o art. 5º, inciso II, da Constituição Federal, “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”. Resumindo, ninguém é obrigado a nada, principalmente a aguentar coisas e pessoas que não acrescentam em nada em sua vida, além de te trazer uma bela lição de como não ser ou agir.

E falando em como não agir, não poderíamos deixar de falar sobre o Carnaval. Fevereiro e Carnaval é tipo arroz e feijão, macarrão e queijo ralado, música e melodia: podem nem sempre andar juntos, mas não lembramos de um sem pensar no outro também.

Não quero lhes dizer o que não fazer no Carnaval, até porque a lista é imensa: não transem sem camisinha, não abusem sexualmente de ninguém, não evacuem nas ruas, não morram na estrada ou de overdose, cuidado com as doenças, não se fantasiem de nega maluca, índio, árabe ou travesti (já conversamos sobre isso), não esqueçam de comer direito e a mais nova…façam abstinência sexual.

É óbvio que ninguém quer ficar doente, ir preso, ser enterrado, ser acusado de ser preconceituoso ou ter um bebê do signo de Escorpião daqui uns meses…brincadeira Escorpianos, adoro vocês! Na verdade a maioria desses “nãos” são tão óbvios que praticá-los em pleno ano de 2020 beira a imbecilidade. Tirando a situação da abstinência, pois neste caso é cada um com sua decisão, consciência e libido.

Na verdade o que desejo é que no Carnaval vocês se cubram de auto estima! Que seu amor próprio brilhe mais que sua fantasia! Que você entenda e respeite seu corpo e o corpo alheio. Os hindus e os católicos dizem que nosso corpo é nosso templo, pois ele abriga e acolhe nossa alma e deve ser cuidado com o máximo respeito.

Então pense bem o que e quem você quer colocar dentro do seu lar sagrado e não invada outros templos sem ser convidado. Seja feliz no retiro, no bloco, em casa ou no churrasco com amigos, mas foque na sua felicidade! Se ame tanto que ao se olhar no espelho seu coração bata mais forte que Bateria de Escola de Samba.

Desapegue da opinião dos outros sobre o que e como você deve agir, quebre ciclos ruins, mude suas ideias, aja com empatia! O Carnaval acaba, Fevereiro também, e o que vai sobrar para o resto de seu ano?

Que Xangô te abençoe, que Jesus te traga discernimento e que Februus te traga renovação.

Axé!

Érica Cristina Alexandre dos Santos, é araraquarense, casada, bacharel em Turismo e Hotelaria e organizadora de Eventos, cerimonialista. Érica também é turbanista (realiza oficinas gratuitas de turbantes para todos os públicos), professora de Técnico em Organização de Eventos e Técnico de Camareira e colunista do Comunica Araraquara. É do Amém, do Axé e do Namastê. E como diria Jorge Bem: “Abençoada por Deus e bonita por natureza”.

Contato: erica.alexandre23@gmail.com

Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *