Cotidiano

4 explicações sobre os dengários de Araraquara que talvez você não saiba

Os dois dengários de Araraquara estão sempre abertos, prontos para fazer o primeiro atendimento ao paciente com suspeita de dengue

dengários em Araraquara

Que Araraquara vive um caso de epidemia de dengue todo mundo já sabe. Aliás, de acordo com dados divulgados na última segunda-feira, 29 de abril, o número de pessoas infectadas é de 8.841. O dado é superior ao número de 2015, quando a cidade também viveu uma epidemia e registrou 8.242 casos de dengue. Mas o que muita gente pode não saber é a função dos dengários de Araraquara.

Por isso, nossa equipe entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Araraquara, e com Fernanda Americano, estudante de medicina da Uniara, criadora da página Camomila e colunista no Comunica Araraquara, para responderem algumas questões sobre o espaço. Dá só uma olhada:

dengários em Araraquara

Para começar, o que é dengário?
Segundo a prefeitura, “o local oferece atendimento especializado para pacientes com suspeita da doença, conta com consultórios e sala de hidratação com dois médicos e três profissionais da área de enfermagem”. Além disso, os dengários de Araraquara têm a função de dinamizar o atendimento específico a pessoas com suspeita de dengue e permitir que as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) possam manter a qualidade no atendimento à população em relação às outras patologias.

As unidades dos dengários devem ser a primeira opção
Se você está com algum sintoma e há suspeita de dengue, procura uma, das duas unidades do dengário. Isso irá ajudar a diminuir as filas do pronto atendimento, como a UPA. Claro que, não sendo possível, você pode sim ir a algum posto de saúde mais próximo da sua casa, mas a primeira opção deve ser o dengário.

Estão abertos até aos domingos
Isso mesmo, tanto a unidade do Centro como da Fonte funcionam normalmente aos domingos. Os dois dengários estão abertos todos os dias, das 7h às 20h. Os endereços são: Rua Voluntários da Pátria, 2130 – Centro e Av. Ivo Magnani, 480, Fonte (ao lado da Vigilância Epidemiológica).

Ter um dengário é mais que uma evolução, é uma necessidade!
É o que explica Fernanda: “Enfrentamos um problema de lotação nas UPA devido as dificuldades em manejar o fluxo de pessoas entre os níveis de atenção do SUS. Os dengários acabam ajudando a população como um todo! Tanto para aquele que precisa de um atendimento direcionado para a dengue quanto para quem apresenta outra doença e se beneficiará de um serviço com menos filas. Em casos de surtos, como este que estamos vivendo, os dengários são necessários! Não é só uma evolução, mas uma necessidade! Porém, é importante ressaltar que a participação da comunidade é fundamental para a efetividade das ações em saúde! Enquanto não tivermos um senso comum de que a saúde deve ser coletiva, estaremos longe de erradicar certas doenças!”.

dengários em Araraquara

Dengários em Araraquara e outras medidas preventivas

A assessoria da prefeitura informou, que desde o ano passado, a Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura de Araraquara tem se empenhado em ações que busquem interromper a proliferação do mosquito Aedes aegypti. As ações incluem atividades de nebulização, o fumacê (nuvem de fumaça com baixas doses de agrotóxico), bloqueio das casas agentes de vetores, mutirões e trabalho de Avaliação de Densidade Larvária (ADL).

Inclusive, é esta ação que revelou o seguinte dado: 80% dos criadores de mosquito encontrados nos quintais de Araraquara, são em locais com moradores. Por isso, a importância da participação de todos na luta contra a dengue.

LEIA TAMBÉM
+ Coluna Del Freitas: Às vezes é preciso conversar com você mesmo!
+ Coluna Érica Alexandre: Turbantes – Uma História além da Moda
+ Coluna Tatiana Rodarte: Uma carta pra você, menina

A assessoria também reforça que, além do trabalho dos dengários em Araraquara terem se intensificado, “as notificações e multas nos locais em que podem se proliferar criadouros e ampliou o acolhimento ambulatorial a pacientes que possivelmente tenham contraído a dengue”.

Quem quiser entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica, pode fazer a partir dos telefones 0800-7740440 ou (16) 99760-1190.

Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *