Cultura

Mulheres se unem pela humanização do parto em Araraquara!

Neste sábado (7) vai ter atividade gratuita e aberta a todos!

parto humanizado em araraquara

Um grupo de seis mulheres vem lutando pelo parto humanizado em Araraquara, desde 2012.

E de lá pra cá, apesar de muitas conquistas, a mais importante é poder levar conhecimento para as futuras mães.

“Não existe escolha sem conhecimento”, afirma a fisioterapeuta Joana Chambrone, uma das participantes do Movimento pelo Parto Humanizado em Araraquara.

Nós conversamos com a araraquarense que, além de contar mais detalhes da atuação do grupo por aqui, também comentou sobre o evento que será realizado neste sábado, 7 de março.

Com entrada gratuita e participação aberta para todos, elas se unem mais uma vez para debater o parto humanizado – vamos lá?

Confira o bate-papo:

Há quanto tempo existe o grupo pela humanização do parto em Araraquara?

Foi em agosto de 2012 que o movimento se organizou. Na ocasião, nos reunimos para realizar a marcha pela Humanização do Parto. Nas ruas, em todo Brasil, as pessoas manifestaram sua indignação pela maneira desrespeitosa e muitas vezes violenta, com que as mulheres e familiares são tratados durante a gestação e parto.
No mesmo ano fizemos um abaixo assinado e construímos um documento onde denunciávamos o descumprimento da lei do acompanhante (Lei Federal 11.108/2005), em Araraquara.
Como desdobramento dessa denúncia foi criada uma comissão na Câmara Municipal para elaboração do Protocolo de Atendimento Humanizado às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos – Lei Municipal 8.274/2014
Em 2016, doamos duas banquetas de parto para maternidade Gota de Leite, através de uma vaquinha com participação da população.
Em 2017, levamos para o Orçamento Participativo, temática Mulheres, a proposta de um Centro de Referência da Gestante, que se tornou um programa que começará este ano. Foi em 2017 também que iniciamos nosso grupo de apoio ao parto presencial, onde o objetivo é difundir informações sobre gestação, parto, pós-parto e amamentação para todos os interessados.
Em 2018 e 2019, participamos da formação das Promotoras Legais Populares – PlPs, falando sobre cultura do parto e violência obstétrica.
Além disso, acolhemos e orientamos as famílias que passaram por situações de desrespeito aos seus direitos.

Quantas pessoas estão na organização? E são apenas mulheres?

Somos em 6 mulheres. Giovana Pirolla Cardozo – assessora de slings, empresária e mãe; Itaiana Battoni – doula, artista gestacional, consultora em amamentação e mãe; Joana Zambrano Chambrone – fisioterapeuta com especialização em fisioterapia pélvica; Maria Cristina Venerando – mãe do Cauê e da Mariah e advogada; Mariana Tezini- psicóloga, psicoterapeuta corporal, terapeuta de casal e mãe; Tatiza Simões – psicóloga, doula e educadora perinatal.

parto humanizado em araraquara

Depois do parto, essas mulheres param de participar? Como funciona?

Algumas mulheres retornam ao grupo para contarem o relato e ajudarem outras gestantes.

E é gratuito?

Sim, é gratuito.

Vocês realizam encontros presenciais? E onde são realizados estes encontros?

Sim, todo primeiro sábado do mês, no Centro de Referência da Mulher(Avenida Espanha, 532, Centro), das 14 às 16h. O primeiro encontro de 2020 será dia 7 de março e faz parte da programação do mês da mulher no calendário da prefeitura.
Aproveitando a menção ao Centro de Referência da Mulher, essa é uma boa oportunidade para agradecer a coordenadoria de política para mulheres de Araraquara, que gentilmente nos cede o espaço para a realização do nosso grupo.

Aliás, o que é o parto humanizado?

Esse será o assunto do nosso primeiro encontro de 2020!
Não se trata de um tipo de parto e sim de uma assistência que se baseia em três pilares: o protagonismo da mulher, medicina baseada em evidência científica e equipe multidisciplinar disponível.

parto humanizado em araraquara

E como vocês vêm os tantos relatos de violência no parto que ainda são relatados?

Os relatos de violência no parto apenas evidenciam a necessidade de difusão de informação para as mulheres, sendo esta a característica mais forte do grupo. A violência sempre ocorreu, é parte infeliz da nossa estrutura como sociedade. Em verdade, são poucos os casos relatados, é preciso ainda mais denúncias para as mudanças iniciadas no atendimento da mulher sejam efetivadas.

Vocês atuam como doulas?

No nosso grupo temos 2 doulas atuantes.
A doula é uma profissional treinada para dar suporte informativo, emocional e físico para a mulher grávida. Ajudando lidar com a dor no momento do parto, utilizando métodos não farmacológicos de alívio da dor com massagens, palavras de apoio, sugerindo posições, cuidando do ambiente. A doula não tem função técnica no parto e não interfere em condutas da equipe técnica.

Qualquer mulher pode participar do grupo de vocês? Aliás, homens que serão pais também podem participar?

Sim, qualquer pessoa interessada no assunto pode participar do nosso grupo de apoio ao parto.

Qual a importância de difundir o conhecimento do parto humanizado? E qual a importância do grupo de vocês em Araraquara?

Não existe escolha sem conhecimento.  As mulheres muitas vezes são induzidas ou escolhem pelo medo. Acreditamos que através da informação, entendendo como é  o processo e se preparando para o parto, as mulheres possam buscar os melhores lugares ou equipes onde terão seus desejos e direitos respeitados e uma experiência satisfatória de nascimento de seus filhos.

Serviço

Grupo de apoio ao parto: “Parto Normal, Cezárea e Parto Humanizado”.
Data: Sábado, 7 de março
Horário: das 14h às 16h.
Local: Centro de Referência da Mulher – Avenida Espanha, número 532, entre as Ruas 3 e 4.
Atividade gratuita.

LEIA TAMBÉM

+ Empreendedorismo feminino é tema de evento em Araraquara

+ Psicopedagoga de Araraquara elabora atividades infantis para as férias

+ Araraquarense cria empresa que estimula a autonomia das crianças

+ Com a maternidade, araraquarense muda de profissão e vira empresária



Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *